Publicado por: animo30 | 11 de Março de 2009

WEBANGELHO.S.PAULO E AS MULHERES

anselmoborges_deus

SÃO PAULO E AS MULHERES
Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

 

 

Nos casamentos, constato com satisfação que as noivas rejeitam como leitura da Missa um dos textos propostos, da Carta aos Efésios, atribuída a São Paulo. Diz assim: “As mulheres submetam-se aos seus maridos como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da mulher. Como a Igreja se submete a Cristo, assim as mulheres, aos maridos, em tudo.”

Na Carta aos Colossenses, também se lê: “Esposas, sede submissas aos maridos, como convém no Senhor.” E na Primeira Carta a Timóteo: “A mulher receba a instrução em silêncio, com toda a submissão. Não permito à mulher que ensine, nem que exerça domínio sobre o homem, mas que se mantenha em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva.” Na Primeira Carta aos Coríntios: “As mulheres estejam caladas nas assembleias, porque não lhes é permitido tomar a palavra e, como diz também a Lei, devem ser submissas.”

Aí estão os textos fundamentais a partir dos quais São Paulo foi julgado como misógino e responsável pela situação de submissão das mulheres na Igreja e na sociedade. No entanto, tornou-se hoje claro que este preconceito repressivo e negativo é injusto. Quando comparamos a imagem que Paulo tem da mulher com a dos seus contemporâneos, concluímos mesmo, como escreve Stephen Tomkins, que Paulo é dos “escritores mais liberais da Antiguidade e que dificilmente merece uma crítica tão dura”.

Na Grécia e em Roma, as mulheres não eram consideradas pessoas, não tendo, portanto, direitos. “Calar é a grande honra de uma mulher.” Aristóteles escreveu que “o homem é por natureza superior e a mulher, inferior; ele domina e ela é dominada”. Os homens judeus agradeciam diariamente a Deus não os ter criado mulher, e o testemunho de uma mulher não era aceite em tribunal. Lê-se no livro bíblico de Ben Sira: “Menos dano te causará a malvadez de um homem do que a bondade de uma mulher.”

São Paulo fez uma experiência avassaladora, que transformou, de raiz, a sua vida: Deus não abandonou à morte Jesus crucificado. Que vale um morto? Que vale um crucificado? Então, se Deus o ressuscitou, não foi pelas suas qualidades. Assim, Deus está do lado dos abandonados e excluídos e, portanto, todos valem diante dele. Paulo intuiu e experienciou a dignidade infinita do ser humano, seja quem for. Daí ter escrito esta palavra decisiva, na Carta aos Gálatas: “Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem e mulher, porque todos sois um só em Cristo.”

E tirou as conclusões práticas. Formou comunidades cristãs carismáticas. Reuniam-se em casa de um cristão para celebrar a Eucaristia. Quem presidia era o dono ou dona da casa, de tal modo que nada impede pensar que, no princípio, mulheres presidiram à celebração eucarística.

O facto de Paulo se dirigir também a mulheres casadas com não cristãos indica que as recebia na comunidade enquanto autónomas, como os homens, independentemente dos maridos.

No último capítulo da Carta aos Romanos, saúda 16 homens e 8 mulheres. Lá aparecem Febe, que “também é diaconisa na igreja de Cêncreas”; Priscila, “minha colaboradora”; Maria, “que tanto se afadigou por vós”; Trifena e Trifosa, “que se afadigam pelo Senhor”; “a minha querida Pérside, que tanto se afadigou pelo Senhor”. Merece menção especial uma apóstola: Júnia, “tão notável entre os apóstolos”.

Do confronto destes textos, conclui-se que Paulo não pode ser acusado de misoginia. O que se passa é que das 13 cartas que lhe são atribuídas, ele só é autor de 7: Primeira aos Tessalonicenses, 2 aos Coríntios, aos Filipenses, a Filémon, aos Gálatas, aos Romanos. As outras 6 – aos Colossenses, aos Efésios, Segunda aos Tessalonicenses, 2 a Timóteo, a Tito – são pseudopaulinas, isto é, dependem da “escola paulina”, mas ele não é o seu autor. Ora, os passos citados, exigindo a subordinação e o silêncio da mulher, pertencem às pseudopaulinas. Quanto ao passo da Primeira Carta aos Coríntios, aceita-se hoje que é uma interpolação posterior, pois só assim se percebe que antes refira “a mulher que reza e profetiza”.

O comportamento misógino e subordinado da mulher não se deve a Paulo, mas a outras lutas e influências.

In Diario de Notícias,7Março09

 

Anúncios

Responses

  1. SÃO PAULO E AS MULHERES versus Violência doméstica…
    Há por aí Paulos misóginos aos montes e a culpa é pelos vistos (em boa parte) ancestral.
    Está inscrita na tal matriz judaico-cristã, herança nossa, por vezes também para o pior.

    RN


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: